contador de visitas
Selecione o Idioma

terça-feira, 8 de outubro de 2013

ENTÃO...

                                                     
                                                               
Ele ressurgiu em minha vida ontem, mas talvez nunca tivesse saído de mim. Eu é que ingenuamente me imaginei feliz e esqueci dele.
Ele ressurgiu no meu delírio de pecado. Pecado por ter pecado e perdão por ter pecado. Conversei com Deus ontem, no escuro de meu quarto pra que ele não visse meu rosto tão exposto, tão desconsolado. Não pedi a Nossa Senhora que intercedesse por mim e decidi, eu mesma, ter  minha conversa com ele e fui... desfiando um rosário de perguntas que as respostas, todas, já me fazem pertencimento.
Dias desses viajei, mas não fui sozinha. Levei comigo a ousadia, a delicadeza fora da mala,  mas junto disso tinha a sacanagem e a esperteza de quem te tira, num ínfimo, o que pode, acreditando que você não percebe e nem vê. Sei que quando permitimos ao outro fazer parte de nossa estrada estamos também considerando que em algum momento pode haver desistência, mas a esperteza é desistir depois de se tirar o que se quer, de não pensar que as contradições ressoam e que reverberam no dia seguinte.
Já mudei de pele tantas vezes que sei exatamente qual caminho tomar, sei que não tem sentido arrastar correntes por fantasmas criados ou idealizados por nós  e tenho o conforto de transitar dentro de mim com a certeza de que não fui leviana com o outro, que mantive meu caráter no ponto, que presenteio sem esperar nada em troca, pois se é troca é de graça e, sendo assim, tem graça e leveza, palavras que podem, como todas as outras, ganhar interpretações de outras maneiras, mas pra mim são o que são.
Conversando com Deus ele me revelou coisas que não saberia explicitar. Jogou-me na cara meus repetidos erros, tristezas pessoais, fracassos amorosos, incertezas de toda ordem, mas eu na minha convulsão desprendida disse que me entrego apaixonadamente a tudo de novo, fico novamente menina/mulher/amiga/amante. Deus me fitou com os olhos mais calmos do mundo, puxou minha cabeça, encostou no seu ombro e soprou em meus ouvidos..." sabe aquela música que você gosta? o amor é igual a ela... um dia para de tocar." Disse e ficou olhando pra mim com aqueles olhos de sol a me trazer esperança. Disse e saiu voando pela janela do meu quarto enquanto eu, cá dentro de mim, lembrava da canção primeira, do olhar primeiro, do beijo primeiro e vi , que na verdade, nem lembrava mais. Não se pode manter um "encontro", seja como for, no oportunismo, na unilateralidade, na viração. Não se pode seduzir todo o tempo, dizer que te amo pra iludir, falar sem se comprometer, meter, meter, meter e não sentir. Não dá.
Hoje não vejo outra palavra para o que vivi, senão criancice, mas sei que não estou sozinha, que também não sou dona do nariz, que trabalho arduamente pra ter o que tenho, que divido o que posso, com quem posso e quando quero e não vejo o outro como um produto em promoção, logo, espero que não me vejam em uma prateleira sendo liquidada por  já não ter vinte e poucos anos. Tolice pensar que mulheres da minha idade agem por impulso... Mulheres da minha idade agem por paixão, por tesão, por vontade, agem de vontade porque podem pagar a conta , não aquela cobrada nos motéis ou bares ou entradas de festa, não...pagam a conta da vida, da decisão, da perda de tempo, da saudade que fica, pagam a conta da razão que se perdeu. Mulheres da minha idade sabem que o tempo é algo que não espera, então vivem, vivem sem medos, mesmo sabendo que o outro rouba suas energias, pois são sapos encantados, mesmo sabendo que assim eles foram educados...elas beijam, trepam, dispersam, choram um pouco e depois...depois se perfumam, usam salto, vestem  bela lingeri e constroem uma outra festa, um outro rock, uma outra folia, pois são livres!! Livres são as pessoas que não constroem suas vidas sob o alicerce alheio, são aquelas que entram e saem sem ter que pedir desculpas, livres são as que não fingem para se dar bem, livres são as que se sabem tapete voador, respeitam seus contos e não atropelam ninguém em nome de suas frustações.
Estou mais leve, mais eu, mais amavél, mais de volta, mais doida e mais bailarina nessa dança chamada vida.
Não há outra maneira de ser inteira que não seja abrir mão daquilo que não existe. Preciso resgatar toda a minha virtude distante e mais uma vez perdoar o destino por não ter acontecido dessa vez...

PS: Deus me sopra de novo nos ouvidos..." acredite, a música já parou de tocar. Sintonize em outra estação.

Lá vou eu!!!!

domingo, 6 de outubro de 2013

"SOLIDÃO É UMA ILHA COM SAUDADE DE BARCO"

                                               

Pergunto-me incessantemente a mesma coisa...
Resposta não há para esse espiral em que me vejo
Carrego o leve peso de meus atropelos
Enquanto a existência trafega torpe pela casa
De longe, observo a inutilidade de meus pensamentos
E envio pra mim mesma mensagens de desistências
- que não combinam comigo-
Estou cansada
Há um cansaço de séculos em meu respirar
Minha bagagem de vestígios sentimentais ruminam 
Sinto-me velha e teimosa
Frágil e perdida
Desconfiada e fingida
Mulher com infernais vendavais que ardem
Quem é esse ser que me apunhala os olhos?
Que desfaz minhas mandalas e que contorce meu crânio
De maneira tal que meu grito fica oco
Que não revido o soco
Que esquarteja minha alma
Como se faz com um gado depois de morto?
Atravesso um deserto imenso e
Nunca chega o oásis...
Uma voz me sopra- Oásis é dentro da gente-
Não encontro o dentro de mim
Meu eu ficou desativado- por hora-
Me quero de volta
Tenho direito a esse pertencimento
Meu sossego foi atravessado pela angústia
Viver arde
Viver dói
Saudade...
Esse "ainda" que está atravancando meu caminho
Esse caminho que me leva de volta
A lugar algum
Essa solidão das sete....das treze
Esse nunca mais
Só queria não ter pressa
Não ser presa, no sentido de animal predado
Não ser festa oferecida 
Ou bebida que encoraja
Queria a simplicidade do riso
O carinho gratuito
Queria a não monogamia imposta
Queria a utopia do "dar certo"
Queria o querer do outro
Ser o outro
Voltar pra mim e...
Ser EU
De novo.



Hora certa:

Faça parte da familia: